sexta-feira, 11 de setembro de 2009


Entrevista Just Off Turner



A banda JOT de Los Angeles, formada por Bryan Mounce (vocal e guitarra), Eric Gustafson (tambores & vocal), Phil Metzler (teclados & vocal) e Stephen Andrews (baixo & vocais). Que abriu os post’s de 2009 aqui no Blog. Está de volta!
E agora com uma entrevista exclusiva. Falando sobre influências, experiências, composições e sobre a futura vinda ao Brasil.

CG. Quando começaram na música?
Bryan: Ganhei a minha primeira guitarra quando tinha uns 6 ou 7 anos de idade. De inicio eu não quis aprender a tocar, porém aos 17 anos surgiu o interesse. Naquela época eu fiquei muito interessado em escrever canções, mas eu era muito tímido para cantar em público. Depois de um ou dois anos, lentamente trabalhado, criei coragem de cantar na frente das pessoas.



Phil: Eu comecei a tocar trompete quando eu tinha onze anos e o piano quando eu tinha doze anos. Eu também fui para a faculdade de música.

CG. Como se conheceram para formar a banda?
Bryan: Eric e eu nos conhecemos através de amigos em comum, há uns 10 anos atrás, em Arkansas. Nós nos mudamos para L.A. em 2001. Depois de perder alguns dos integrantes mais antigos do JOT, nós decidimos que queríamos encontrar um tecladista. Uma noite, estávamos saindo de Hollywood em um bar quando fomos apresentados para Phil. Depois do nosso primeiro ensaio com Phil, sabíamos que queria que ele fosse da banda. Logo após isso, Stephen foi a uma festa no meu apartamento. Eric nos apresentou, dizendo que ele tocava baixo, de modo que acabamos o convidando para tocar com a gente. Tivemos várias audições para baixistas, mas Stephen era o melhor de longe! Felizmente, todos nós nos dávamos bem e gostávamos de tocar juntos.

CG. Quais foram as bandas que vocês tiveram influências na formação do repertório próprio?
Eric: Para o último álbum em particular, eu teria que dizer Led Zeppelin, Ed Harcourt, e sempre um pouco de Radiohead!



Bryan: Alguns artistas que me influenciaram ao longo dos anos são Counting Crows, Jeff Buckley, Al Green, Fleetwood Mac, Smokey Robinson... Todos os que escrevem grandes melodias ou com grande paixão.

Phil: Eu acho que com a abordagem do Radiohead e a apresentação, e formulário são os primeiros pensamentos em minha mente. The Beatles para a melodia e experimentação.
CG. Após o sucesso de “The Long Walk Back” lançado em 2007, que traz canções contagiantes. Vocês lançaram no inicio de Abril/09 o novo álbum “Words On Waves” que está divino. Gostaria que vocês comentassem um pouco a respeito da produção do álbum recém lançado.
Phil: Depois de "The Long Walk Back" passamos muito tempo para promovê-lo e fazendo vários shows. Nós realmente não escrevemos muito até o verão de 2008. E no momento em que começamos a gravar “Words On Waves” tínhamos catorze músicas para escolher.



Bryan: Nós trabalhamos nas composições e ensaiamos as canções por vários meses antes de começarmos a gravar. Muitas das canções faltaram letras até o momento da gravação. Nós gravamos 14 músicas. Eu fui capaz de terminar a letra para as 10 canções que foram para o álbum. As outras 4 certamente irão aparecer em algum momento no futuro.



Eric: A bateria foi gravada em duas sessões com 7 músicas. Em uma sessão particularmente divertida, eu coloquei uma grande quantidade de fita adesiva em todos os meus tambores e pratos para simular um tambor do tipo Motown, para definir o som. Caiu muito bem, embora não estar fazendo parte do álbum. Assim, você só tem que confiar em mim... Foi legal!


CG. Vocês acham que amadureceram de um álbum para o outro?
Phil: Absolutamente. Quando começamos a "The Long Walk Back" havia algumas canções antigas gravadas, como canções que foram escritas com outras pessoas. "Words On Waves" foi à síntese de nós quatro e de nossas influências. Tudo reunido.
Bryan: Eu acho que a nossa música amadurece naturalmente na medida em que crescemos e aprendemos sobre nós mesmos, e uns aos outros.



Eric: Sim, em nossas composições. Mas continuamos a agir como alunos da terceira série o resto do tempo.

CG. São muito amplos os arranjos das músicas de vocês, em questão de instrumental. O estilo pop/rock que vocês fazem, traz influências de outros estilos musicais também?
Bryan: Eu acho que somos influenciados por todo tipo de música que ouvimos. Eu sou inspirado pelo som da Motown, assim como rock dos anos 70. Mas eu ouço e aprecio uma grande variedade de estilos musicais.
Phil: Eu tenho um histórico do jazz, por isso estou sempre tentando esticar os limites da nossa música pop.
CG. Quem faz as composições da banda?
Bryan: Nós trabalhamos na música juntos. Estrutura da canção tornou-se um grande esforço de colaboração para nós. Mas isso acontece de forma diferente a cada vez. Podemos começar a partir de uma ideia de piano, ou uma bateria e groove no baixo, ou simplesmente de vários de improvisos. Uma vez que as músicas começam a tomar forma, eu trabalho em uma melodia vocal e em seguida, escrever as letras para se ajustar à melodia.

CG. Phil (teclado & vocal) tem uma ligação com o Brasil, até mesmo através do cantor Tiago Iorc. Gostaria de saber se todos da banda também têm alguma ligação com o país?
Bryan: Eu não tive o prazer de conhecer o Tiago ainda, mas estou ansioso para conhecê-lo. E claro, todos os nossos fãs brasileiros!



Eric: Ainda não, mas espero muito em breve ;)

CG. Gostam de alguma banda ou cantor brasileiro?
Bryan: Tiago Iorc é claro!
Eric: Sim, Tiago é magnífico! Agora estou tentando explorar mais a música brasileira.



Phil: João Gilberto, Gilberto Gil e Os Mutantes estão todos em meu iPhone.

CG. Quando vocês virão para Brasil fazer shows?

Phil: Espero que muito em breve. Eu amo o Brasil e as pessoas. Eu mal posso esperar para voltar.



Eric: Nós estamos trabalhando na criação de um show especial para o Brasil. Vai levar algum tempo para trabalhar os detalhes, mas vamos deixar isso acontecer!

CG. Deixe uma mensagem para os fãs brasileiros.



Phil: Muito obrigado pelo o seu amor e apoio. Todo mundo foi muito amável!



Bryan: Muito obrigado por ouvir as nossas músicas! Nós realmente agradecemos a todos vocês pelas amáveis palavras. E realmente estou ansioso para encontrar todos vocês! Por favor, divulguem JOT no país maravilhoso!

Eric: É muito gratificante para JOT ter fãs no Brasil! Nós mal podemos esperar para tocar para vocês, e desfrutar do seu belo país!

Por Cintia Guccih . Fotos Divulgação MySpace

2 comentários:

Thamine disse...

Cintiaa queridaa! Adorei a entrevista!
Eles são o máximo, né?
Parabéns! Beijoo

Tata Parauta disse...

simplesmente P-E-R-F-E-I-T-O !

Promoções

Entrevistas

Resenhas